Pular para o conteúdo principal

Moto Esporte Clube: será que não está faltando dentro de campo, o mesmo roteiro traçado fora das quatro linhas

Questionado no último domingo sobre a estreia do zagueiro Antonio Carlos, que havia sido contratado do Botafogo, o técnico Paulo Autuori enfatizou a liderança do defensor.
"Isso é algo que eu venho cobrando de todo o time. Precisamos nos comunicar mais e melhor", disse o comandante do São Paulo após a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense.
Como na vida, a comunicação muitas vezes é subvalorizada no futebol. Não há relação que se sustente sem atenção a isso.
Ao contrário de modalidades em que as movimentações são marcadas e treinadas com base em repetição, o futebol está alicerçado em improvisos. Por isso, qualquer lance tem potencial para mudar o panorama de um jogo. Muitas vezes, falha de atenção ou erros individuais são imperceptíveis para quem apenas vê uma partida.
Em campo, portanto, os jogadores são submetidos constantemente às duas situações: há erros, falhas ou apenas adversários mais perspicazes, e eles precisam perceber isso a tempo, planejar uma estratégia contrária e comunicar isso ao time.
Exemplifico: um jogador pega a bola na direita, faz uma trajetória em diagonal e dribla três adversários. Os defensores que ainda estiverem postados precisam pensar rapidamente em meios de compensar os espaços abertos e evitar que a bola chegue ao gol.
A lista de decisões possíveis passa por "fazer a falta", "tentar o desarme individual", "tentar o desarme com dois jogadores" ou "posicionar o corpo para impedir que ele seja obrigado a mudar de direção", por exemplo. Há muitas outras hipóteses, e a decisão é sempre de quem está em campo.
Quando eu digo que o campo dá total autonomia, muita gente já questionou e citou os treinos. Por mais que a defesa seja preparada para lidar com ataques que tenham mais adversários ou lances individuais, por mais que os movimentos sejam ensaiados, o futebol sempre tem peculiaridades. É praticamente impossível que um lance no jogo seja a repetição exata de uma simulação feita durante a semana.
O que acontece no jogo pode remeter a exemplos dos treinos, e isso pode automatizar as decisões dos atletas. Para amenizar a margem de erro, contudo, o melhor é que esses atletas consigam entender o que está acontecendo e planejar soluções. Essa capacidade de resolver problemas em um espaço curtíssimo de tempo é o maior diferencial de qualquer esporte coletivo.
Tomada a decisão sobre o que fazer para interromper a jogada do adversário, cabe ao jogador comunicar isso. Não há estratégia eficiente se for totalmente individual, descolada das ações do restante do time. Se todos tiverem iniciativa ou se ninguém tiver, as chances de o lance prosseguir são igualmente grandes.
É importante que as decisões, por mais individuais que sejam, tenham reflexo no contexto. Um zagueiro pode optar por fazer a falta para interromper o lance individual do rival, mas os companheiros dele devem se posicionar para evitar a sequência do lance. E se o atleta que sofreu a infração conseguir tocar a bola, por exemplo? E se esse toque for direcionado ao espaço deixado pelo defensor que foi fazer a falta?
Não existe decisão, por mais técnica que seja, que possa ser dissociada da comunicação. E quando eu digo comunicação, não precisa ser necessariamente um estímulo verbal. Atletas podem se falar por gestos, olhares ou até pela movimentação. O corpo também fala.
Dissociar processos é um dos erros mais comuns no esporte. É como o jogador que tem excelente índice de aproveitamento de finalizações nos treinos, mas não repete isso nos jogos. Ele pode ter a mecânica certa, o movimento correto, mas precisa saber colocar isso em prática com ações dos rivais, pressão da torcida, cansaço e outros fatores.
Volto a Paulo Autuori. Depois da vitória sobre o Fluminense – o São Paulo não triunfava desde a segunda rodada do Campeonato Brasileiro – o técnico enalteceu o ambiente que tem sido criado no time do Morumbi. "Eu acredito na harmonia", afirmou o técnico.
Matéria completa aqui
Autor:
Guilherme Costa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Vila Nova FC - GO contrata dois do futebol rondoniense

Um é "veterano" dos seus 34 anos, mas a função talvez exija uma pessoa dessa estirpe, com formação superior em Ciências Contábeis; foi observador da base do próprio Vila Nova; trabalhou como Coordenador de Esportes e, portanto, na formação do Rondoniense SC onde sagrou-se campeão do 1º turno de 2016 no Periquito do Ulisses Guimarães - com às mãos nas costas -, depois saiu e foi especializar-se em Coaching na área esportiva, lá em Manaus-AM.
Falo de Welmer  Bueno(f), que já assumiu o cargo de Coordenador Geral da Base do Vila. Os objetivos traçados para o time goiano são alvissareiros e factiveis, senão vejamos: 1) tornar a base do Vila Nova, uma base profissional; 2) captar recursos financeiros para viabilizar todo o projeto; e 3) trabalhar a formação e liderança da equipe, captação de jogadores para a base, disciplina e compromisso. Falando em compromisso, a primeira grande batalha do Vila é a Copa SP com início dia 3 de janeiro próximo. (Welmer Bueno - reprodução/facebook)
A …

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)