Pular para o conteúdo principal

Calma Seleção: Respira e Dribla

Em condições normais, deixaria a Copa passar, sem dizer nada. Talvez até preferisse comentar algo sobre o quanto os "protestos" nesse Mundial ajudam a manter a "política profissional" alerta ou coisas assim. Mas vou dizer algo diferente, dessa vez, pelo que senti depois desse primeiro jogo eliminatório.
Seleção Brasileira de Futebol,
Todos os dias -- e por jogar em casa, ainda mais -- seus jogadores e seus treinadores escutam que devem "dar a vida em campo", "que a alma de tod@s @s brasileir@s está com vocês no jogo"... Mas acho que frases como essas podem ser compreendidas de várias maneiras...
Vocês demonstraram ser bons guerreiros, demonstraram que não se entregarão, que "não desistem nunca" -- sem dúvida, isso é um lado de ser Brasil. Nesse sentido, vocês representam todos os nossos sofredores, os 99% que acordam para trabalhar, enfrentam todos os maus serviços públicos, enfrentam a dureza de sobreviver no Terceiro e no Quarto Mundos e ainda tentam, todo dia, fazer com que amanhã seja melhor que ontem. Este é o país do povo que apanha, que sofre, que chora, que é roubado, mas, não se sabe como, arranja esperança de que conseguirá transformar a própria vida e a de tod@s e arranja determinação para fazer isso.
No entanto, falta demonstrar um outro lado importante de ser Brasil: a alegria na adversidade. O sorriso, o humor, a brincadeira. O futebol deste país se tornou conhecido por ser "plástico", por ser "bonito", por revelar "craques". E "craques" são aqueles que fazem uma jogada que ninguém espera. Que desconsertam o adversário. Esse Brasil tentou aparecer contra Camarões, depois recuou. Achou que perderia a seriedade. Pois bem. Percam um pouco a seriedade. É Brasil!
É muito difícil jogar uma Copa em casa. A gente sabe, Seleção. A última vez que um jogador brasileiro precisou ficar tão nervoso foi há 64 anos... Imaginem! Querem um conselho: deixem o nervosismo com a gente. Torcida é pra isso. Torcer é isto: gritar, cantar, pular, roer a unha. Jogar não. Jogar é dar show. É participar num espetáculo. É encantar os outros países, mostrando pedalada, tabelinha, chapéu, elástico, drible da vaca, caneta, lambreta, bicicleta... Essa é a grife brasileira. A Seleção de 1982 ficou na história sem ganhar um Mundial. A seleção de 1970 ficou na história, inclusive por ganhar um Mundial -- mas não apenas, a gente sabe que não.
Portanto, se a Colômbia ganha jogando limpo, driblando, fazendo "gol de placa", vocês pensam que ela aprendeu isso com quem?
É preciso, então, lembrar que não basta ser guerreiro. Tem de ser artista. O coração é garra, mas é emoção também. Se vocês, que "não desistem nunca", mostrarem, agora, talento, habilidade, finta, agilidade, leveza, nós ficaremos felizes. O Brasil continua sendo o país do Carnaval. Não precisamos perder o sorriso para arrumar nossa política, nossos gastos, nossa corrupção. Quase todos os protestos, hoje, são alegres (esqueceram dos cartazes, das músicas?). Há um jeito engraçado até de embaraçar políticos e "cartolas" nas cerimônias. De tirar onda nas redes sociais.
A minha mensagem, portanto, se vocês quiserem essa sexta estrela é‪#‎calmaSeleção‬, brinquem mais em campo, façam aquilo que levou vocês todos para os melhores clubes do futebol mundial e fizeram de vocês atletas (re)conhecidos. Lutem com calma. Há duzentos milhões de nervosos, mas o que a gente quer, de verdade, é que vocês mostrem talento. Gol. Animação. Folia nos pés. Esse é nosso orgulho. Futebol pragmático não é nossa marca.
É muita pressão. É verdade. Mas esqueçam que é Copa, um pouco. Voltem aos campinhos de bairro. Às ruas perto de casa. Aos treinamentos do sub-20. Todos vocês começaram assim. E chegaram tão longe assim..
O autor: Péricles Sousa é Procurador da Fazenda Nacional, atualmente está concluindo em Coimbra/Portugal seu Doutoramento em Direito. Apesar de muito jovem, desde a tenra idade aprecia um bom Futebol e, colabora com o Blog.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …