Pular para o conteúdo principal

SUB-20: COM CENAS DE BEIRADÃO!

Texto Opinativo

Fazia tempo, muito tempo que não via uma partida de futebol acabar por insuficiência no número de atletas. E foi o que aconteceu na tarde/noite deste sábado(15), no velho Aluizão. Jogo entre Genus e Rondoniense pelo campeonato Sub-20. Como meu texto é opinativo, e muitos hão de dizer que puxei para A e outros para B e, alguns poucos para o árbitro do jogo. Mas, se for possível me entender o foco principal destas mal traçadas chama-se - orientação -, gravem essa palavra.

Começo pelo lado mais polêmico, e por incrível que pareça hoje ele esteve bem nas expulsões - falo do Sr. Arnildo Lino -, continua muito cheio de trejeitos e por isso chama para si todos os holofotes. Ao aplicar o primeiro amarelo para o jogador Danilo(Genus), ele levantou e abaixou o braço umas cinco(5) vezes - eu pergunto para quê tantos gestos.

O primeiro vermelho da noite foi para Diegão(Genus), ali por volta dos 25min de jogo, depois teve expulsões do Roger(Genus) e Pirulito(RSC). No início do segundo tempo veio a quarta expulsão e terceira do Genus no caso de Danilo nº 11 - todas merecidas - ah, mas foi vermelho direto? E o que tem a ver, parece que somente Danilo já tinha amarelo fez falta para vermelho direto.

Ainda com relação a arbitragem. Não queria fazer comparações, mas é o jeito há 15 dias atrás esse mesmo Rondoniense x Genus, no mesmo palco e com horário diferente mais cedo e mais quente, apitou o jogo um rapaz que não vou lembrar o nome agora - expulsou um atleta do Genus, quase nesse mesmo tempo de jogo, marcou dois pênaltis em favor do Rondoniense - o time perdeu o jogo para o Genus naquele dia por 2 a 1 e hoje dá essa lambança toda.

Será que não está acontecendo uma má orientação para os garotos do SC Genus? Será que não há gente mais "inteligente" do que nós pobres mortais. Orientar meus amigos, no sentido de falar para os garotos - olha o árbitro de hoje é assim e assado - não existe essa de "mal intencionado", já escrevi aqui e penso que vou escrever mais vezes - lembrando sempre do meu amigo finado Evanildo Stelle - ah, como dá saudade de ver um jogo conduzido pelo Stelle. Ainda bem que o Figarela ainda dá show (poxa lembrei do nome do rapaz de 15 dias atrás).

Ora meus queridos, o SC Genus nos primeiros 15 a 20 minutos foi muito, mas muito superior ao Rondoniense. Depois disso a coisa equilibrou como é de praxe em duas equipes da mesma idade, e ai veio a expulsão - repito - do Diegão aos 25min. Final do primeiro tempo, começam as muitas reclamações do Genus em cima do árbitro, e o primeiro sinal de que alguma coisa poderia acontecer no segundo tempo foi a declaração de um dirigente do Aurigrená ao astuto repórter da Cultura FM dizendo: "se fosse por mim o time nem voltaria para o segundo tempo".

Veio o segundo tempo. O Genus foi o último a entrar em campo, se foi para a súmula e com certeza o Sr. Arnildo não vai deixar passar, por esse ato já vem alguma penalização. Agora pensem comigo, se o técnico tem quatro substituições a fazer, ele muitas vezes faz três e deixa sempre o goleiro para fazer em último instante.

O que aconteceu com o Genus do Profº Luizinho. Ele mudou logo os quatro, mas em pequenas doses como se fora um remédio - querendo até burlar (que palavra!) a vigilância do árbitro - ou seja, coisa de futebol de beiradão. Mas, o juizão estava esperto e contou, recontou mandou sair mais um. Ficou assim oito do Genus contra dez do Rondoniense.

Bola rolando, o Rondoniense abre o placar com Pedrão isso antes de 2 min do segundo tempo - mas estava impedido, portanto não valeu o gol. Neste momento um dos atletas que havia entrado no jogo por parte do Genus, me parece o Ceará saiu machucado e diz que não há condições de jogo. Lá atrás o goleiro Geilson - por sinal muito bom de bola - aliás, não estou jogando lantejoulas mas o que tem de bom de bola neste time do Genus.

Então o goleirão Geilson vai cobrar um tiro de meta e se joga ao chão. A partir desse momento por volta dos 5 min do segundo tempo - único atleta que tem o privilégio de ser atendido dentro de campo - o time com sete(7) pois como falei anteriormente o Ceará não voltou. O que fazer? O árbitro do jogo chamou  o Fisioterapeuta do Rondoniense SC Sr. Amarílio para entrar em campo e verificar a situação do goleiro.

Neste momento o Sr. Amarílio falando aos microfones da Cultura FM disse que foi ameaçado pelo massagista do Genus de jogar uma chuteira e expulsá-lo dali. Ai entrou o delegado da FFER para também controlar a situação, e chamaram o Dr. L'U Cabral que sabiamente mandou o goleiro fazer um Raio X do pé que, segundo o experiente Médico Legista apresentava sim um leve inchaço.

Resumo da ópera. Com seis(6) atletas somente por parte do Genus, o árbitro foi até o centro do gramado e suspendeu o jogo. Neste caso ele fará um relatório minucioso dos fatos, e o que diz o RGC - quando a partida for suspensa como neste caso de hoje e, estava empatada. O clube que houver dado causa a suspensão será declarado perdedor pelo escore de um(1) a zero.

Será que não é o momento de fazer uma avaliação do que está sendo trabalhado em cima desta base do Genus, que é muito boa. Será que não é o momento de conversar com essa meninada, que tem o sonho de ir a uma Copa São Paulo e, de repente se veem na obrigação de seguir algumas "orientações" que julgo não ser a mais correta.

E o torcedor, quanta gente voltando ao velho Aluizão. Querendo ver um jogo de 90 minutos, e saem frustrados com somente 45 a 50 minutos. Daqui a pouco a culpa é de fulano, o time é de sicrano..., fico por aqui e lembro, estamos falando do mais autêntico campeão deste ano. Vem por ai; Copa Verde e Copa do Brasil...orientação a todos, ou seria saudações!!!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …