Pular para o conteúdo principal

Genus do Profº Guido passa com louvor pelo Nacional-AM

QUEM pensava num Genus acanhado, recuado, esperando o adversário para, somente ai partir para o ataque. Até que a metade do primeiro tempo deu-se esta impressão. É tanto que os melhores momentos do time do Nacional foram nos primeiros 45 minutos de jogo.

SE eu dissesse aqui que uns três gols pelo menos o Genus merecia, alguém iria me criticar, claro que o Naça com Nonato, Charles e Osvaldir também fizeram por merecer fazer um ou dois gols. Moral da história o pequeno número de torcedores merecia um placar mais elástico. Quando falo nos três gols do Genus - dois do Pemaza (pelo menos um ele botou para dentro) e um do Alex -, lembram que ele não esperava a bola sobrar e o goleirão Tom tirou de bico da chuteira.

ALIÁS, falando em bico da chuteira foi justamente o pé salvador de Pemaza numa bola rolada do lado esquerdo da linha de fundo por Julio Cesar, que o garoto de Jaru meteu o pé a bola ainda tocou no travessão e caiu no fundo da rede do Nacional, isso aos 37 minutos do segundo tempo. Depois ele perdeu - ou seria o goleiro Tom foi mais esperto - e, tocou com a ponta dos dedos a escanteio.

TATICAMENTE o aurigrená já mostrou evolução, gostei da ousadia de entrar com três atacantes: Wellington, Souza e Tcharles - penso que falta definir quem volta -, o Wellington foi perfeito no segundo tempo, inclusive o gol sai de uma jogada dele para o Julio Cesar e este vai à linha de fundo. No gol perdido pelo Pemaza, que seria o 2 a 0 a metida foi do Wellington.

MAS essa coisa do tático tem que se resolver durante a semana. O Profº Guido Quêtto assumiu o comando na quinta-feira, e já teve que mostrar serviço no domingo. Foi a estreia do jovem técnico numa equipe profissional, e logo por quem e contra quem. Parabéns Guido, por mim tá aprovadíssimo. Ah, deixo registrado que uma pessoa que entende do riscado mais do que eu, e estava lá no estádio disse: "gostei do time do Genus, mostrou garra determinação e avançou as linhas no momento certo". Aspas para Paulo Shardong ex-técnico do Real Ariquemes.

NO geral gostei da equipe do Genus: Tiago Rocha, como sempre tranquilo no gol, Jean esteve bem na lateral direita - mas tá um caé essa lateral, Guarate saiu Marquinhos contundido, e saiu o Jean também de maca -, entrou bem o Willian. Juninho voltou bem, Vitão muita vitalidade (chega rima) e Júlio Cesar quando vai ao ataque, é sempre um fator positivo.

CONTINUANDO as análises: Fernandinho um cão de guarda ali na frente da zaga, Alex já está mais à vontade, quase faz o dele. Souza fez ótima apresentação saiu aplaudido pelo torcedor; Tcharles continua o queridinho da torcida - perdeu um pouco do foco, nesses 15 dias que esteve fora -, já na segunda etapa o foco estava voltando. Wellington pra mim foi o melhor em campo - desenvolveu uma movimentação diferente do que ele vinha fazendo. Pemaza está ai pra dar dor de cabeça ao comandante - sempre gostei do futebol dele, e agora com fome de gol -, saiam da frente.

SÓ não é necessário tirar a camisa na comemoração do gol. Imagina se faz o segundo gol, seria mais um amarelo e em seguida o vermelho. Sem contar a famosa falta que faz não aparecer o patrocinador, pense nisso meu caro. 

PRÁ não dizer que não falei do Naça. É um time bem organizado pelo Vágner Benazzi - mas o que reclama da arbitragem -, dentro da Arena Amazonas vai ser difícil bater neles. Time que apostou em veteranos como; Nonato, Esquerdinha, Cazumba e ainda tem Wanderley que ficou de estrear, é uma potência em termos financeiros (salariais) e estrutura. Pode ir à frente, sim e deve.
(Pemaza sem camisa comemora gol salvador contra o Nacional-AM - créditos: Alexandre Almeida)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …