Pular para o conteúdo principal

Genus e Rondoniense um primor de primeiro tempo

Que espetáculo de jogo foi o primeiro quarto de tempo da decisão do 2º turno do rondoniense-2016. Sim, teve dois minutos de acréscimos - vá lá 47 minutos de muita bola, de ambos os lados -, jogo lá e cá, um primor o primeiro tempo de Genus 2 x 2 RSC nesta noite de 23 de junho, no Aluizão.

Uma coisa que chamou atenção foi o que aconteceu em relação ao numeral sete(7), para este jogo:

- O primeiro jogo desta final estava marcado para o dia 16 (7 dias atrás); ai houve o recurso do Genus contra o Jipa; o TJD julgou o caso do atleta irregular, o Genus ganhou os pontos - o jogo veio para o dia 23/06;

- Aos sete(7) minutos de jogo o RSC quase abre o placar através de Fernandinho; aos 14' ou seja, sete minutos após, Lenno de cabeça faz: Genus 0 x 1 RSC;

- Aos 21' Alex de falta coloca no ângulo esquerdo alto do goleiro Dida: Genus 1 x 1 RSC;

- Ai para sair um pouquinho do sete(7), aos 31' o camisa sete(7) Quintino coloca o RSC à frente: Genus 1 x 2 RSC;

- Aos 38' (dá o quê 31 + 7), Alex voltando aos velhos tempos empata de pênalti: Genus 2 x 2 RSC;

Placar do primeiro tempo de 2 x 2, sem ficar a dever nada a um desses jogos globais das quartas-feiras.  Um primeiro tempo de intensidade (palavra da moda no futebol moderno), de profundidade. De parabéns os dois treinadores pela postura ofensiva de ambos.

Pelo SC Genus - o jovem comandante Guido Quetto, começa a mostrar sua cara na equipe -, sem abrir mão de três atacantes (Wellington, Pemaza e Tcharles), ainda ousou com Alex e Luciano Mourão no meio, na criação. Viram como Alex já estava mais solto hoje.

No RSC - a estreia muito boa do bom baiano Ionay da Luz - também jogou pra frente como deve ser. Escalou: Alegol, Fernandinho, Marco Aurélio e Lenno -, com Fernandinho voltando a ser o impetuoso do ano passado, levando pra cima da zaga adversária sem medo de cara feia.

Gostei! Aliás, gostamos. Pois o pequeno número de torcedores, 310 pagantes saíram do Aluizão com um gostinho de quero mais..., principalmente o primeiro tempo. Mas, vou falar da segunda etapa até porque ainda temos dois quartos de tempo para concluir o 2º turno - quem sabe o todo.

Nos 45' finais, que acabaram em 50' entrou o outro lado da moeda. E aqui não posso deixar de citar Sua Excelência o árbitro - não pensem que é marcação -, até porque eu também passei por lá, não apitando no profissional mas, bandeirando(é o novo!).

Ora Sr. Jonathan Antero que até gosto da maneira técnica de apitar, bem fisicamente, mas inseguro sem personalidade - alguém já deve ter lhe avisado que o jogo para o árbitro começa no segundo tempo -, palavras dos mestres: Antonio Queiroz, Lourival Becão - meu amigo se você naquela entrada criminosa do Tcharles (Genus), em cima do Cássio (RSC), aos dois ou três minutos do 2º tempo -, tivesse aplicado o que manda a lei (vermelho direto), não teria acontecido aquele tumulto.

Estava inseguro? Cheio de PMs lá na ponta do escanteio, o Sr. teria ganho a noite de seu trabalho. Dai pra frente qualquer falta tome formação de rodinha em cima do Jonathan. Acabou o brilho do jogo um segundo tempo nem de perto igual ao primeiro. Quanto aos assistentes, todos com bom trabalho.
(Confusão no 2º tempo de Genus 2 x 2 RSC - créditos: Alexandre Almeida)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Atacante Gabriel Henrique está de partida do SC Genus

Virada do ano já começa bem movimentado pelo lado do time Aurigrená da Capital. Primeiro a polêmica das camisas para 2018, com dois escudos: Genus/Avaí, e hoje(2/jan) a desistência do ótimo atacante Gabriel Henrique, 21 anos, que recebeu uma proposta muito boa de Alagoas.
O novo time de Gabriel chama-se Santa Rita, é da cidade de Boca da Mata e fundado em 25/05/1974. O atleta estava com pré-contrato com SC Genus, para o ano de 2018. (Gabriel Henrique está saindo do Genus - foto: Fanpage do Clube)

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)