Pular para o conteúdo principal

Genus "acorda" no segundo tempo e quase vira pra cima do S. Francisco-PA

Mais uma vez fica provado que o campeonato estadual, ajuda sim, mas no geral não é parâmetro para se encarar um evento em nível nacional. Genus e S. Francisco faziam suas estreias na Série D na noite deste domingo,21.

De um lado nosso representante Genus que, vem numa crescente no estadual. Do outro um S. Francisco que acabou de cair para a 2ª divisão no seu estado - mas fez uma reformulação no elenco de mais de 90% -, segundo seu técnico Walter Lima. 

Do nosso representante causa maior da análise, merece chamar atenção das cochiladas apresentadas nos primeiros 45 minutos. Aqui, vale alguns jogos do estadual: Genus 0 x 1 VEC (lembram gol do Alemão no 1º tempo), no RSC 0 x 2 Genus (1º tempo do Genus foi muito ruim, apesar da vitória no segundo tempo).

E hoje, levou um banho de bola do Leão Azul nos 45 minutos iniciais. Um time que tem Caio Borges (falha mínima no geral), Hurtado (que hoje voltou à zaga pela esquerda), Marcão (muito bem, principalmente no segundo tempo), Luciano Mourão (hoje não reeditou seus melhores momentos), Tcharles (a cada jogo melhora de produção) e Gabriel (talvez o mais lúcido atacante do estado na atualidade, mas falta ao Gabriel colocar a bola para dentro).

Um zero a zero no primeiro tempo graças ao preciosismo do camisa 10 deles Thiago Marabá que, em certo momento fez fila na zaga do Genus e, frente a frente com Caio chutou pra fora. Em outro lance de muito perigo ao gol do Genus - uma falta cobrada por Eric Di Maria nº 11 - a bola tocou na cabeça de alguém na barreira e saiu da trajetória em que o goleiro Caio esperava, tocou na trave e saiu.

O Genus ao final do 1º tempo já dava sinal de ficar alerta. Tcharles já tinha levado perigo ao goleiro Labilá, assim como Gabriel e até Luan Fernando andou chutando a gol. Intervalo de jogo: nem Mirandinha, nem Walter Lima fizeram alterações.

O S. Francisco voltou com a mesma postura, parecia jogar no Colosso do Tapajós. Mas já se via o Genus também adiantando suas linhas, prova disso foi o lance em que Gabriel driblou em velocidade dois defensores adversários e, frente a frente com o goleiro Labilá ele chutou fraco.

Para piorar a situação aos 15 minutos, falta na intermediária lado direito do ataque do S. Francisco. Eric Di Maria cobra de pé esquerdo na cabeça de Charles nº 3 que tira do goleiro Caio: Genus 0 x 1 S. Francisco.

Mirandinha começa a fazer alterações: primeiro Eduardo Rato, depois Geovane e por último Israel - esse por volta dos 38' mas foi na primeira jogada dele que saiu o gol de empate. Falta que Geovane cobrou no bico da pequena área onde Vagner Léo cabeceou e Israel também de cabeça empurrou para dentro das redes do ótimo Labilá. Genus 1 x 1 S. Francisco.

Vale salientar que, antes do empate o jogo, Eduardo Rato já propiciava aquele ah!! Da torcida do Genus num lance de muito acreditar ele ganhou na corrida e, na saída do goleiro Labilá chutou e a bola foi entrando, entrando, o zagueiro Charles tirou de cima da linha. Israel também acertou o travessão do goleiro do S. Francisco em lance que juro como ele chutou a gol mesmo.

Embora um torcedor ao meu lado - aliás, parabéns à torcida do Genus - nada menos do que 712 pagantes compareceram ao Aluizão. Quer dizer 712 "gordinhos", porque me convencer que ali cabia seis vezes esses 700 tá difícil entrar nessa caixola. Ah, o que o torcedor falou: "esse chute do Israel na trave foi um bambo". Eu não achei.

Frases

"gostei do primeiro tempo, meu time a tendência é crescer muito nessa Série D". Walter Lima - téc. do S. Francisco.

"venho trabalhando muito por meu espaço no time, uma hora encaixa". Geovane Cunha - atleta do Genus.

"faltou transformar em gol, as oportunidades que criamos no 1º tempo". Ramon - atleta do S. Francisco.

"não gostei do 1º tempo, time muito sonolento. Com o nível de investimentos que temos, conseguimos formar esse belo time. Time com grana alta para gastar, há vários jogos que não sabe o que é uma vitória. Série D é isso, dificuldade e pegado o tempo todo. Gabriel é uma jóia a ser lapidado ainda, ele veio pra mim com 21a tem ainda que aprender a encarar um goleiro. Israel tem somente 19a e joga isso tudo. Hurtado é outro que vai aparecer logo logo em outro centro". Todas atribuídas ao téc. Mirandinha, ao final do jogo para a Rádio Globo.
(Torcida compareceu em boa escala para: Genus 1 x 1 S. Francisco-PA)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Vila Nova FC - GO contrata dois do futebol rondoniense

Um é "veterano" dos seus 34 anos, mas a função talvez exija uma pessoa dessa estirpe, com formação superior em Ciências Contábeis; foi observador da base do próprio Vila Nova; trabalhou como Coordenador de Esportes e, portanto, na formação do Rondoniense SC onde sagrou-se campeão do 1º turno de 2016 no Periquito do Ulisses Guimarães - com às mãos nas costas -, depois saiu e foi especializar-se em Coaching na área esportiva, lá em Manaus-AM.
Falo de Welmer  Bueno(f), que já assumiu o cargo de Coordenador Geral da Base do Vila. Os objetivos traçados para o time goiano são alvissareiros e factiveis, senão vejamos: 1) tornar a base do Vila Nova, uma base profissional; 2) captar recursos financeiros para viabilizar todo o projeto; e 3) trabalhar a formação e liderança da equipe, captação de jogadores para a base, disciplina e compromisso. Falando em compromisso, a primeira grande batalha do Vila é a Copa SP com início dia 3 de janeiro próximo. (Welmer Bueno - reprodução/facebook)
A …

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)