Pular para o conteúdo principal

Em jogo movimentado: Genus e Jipa ficam no 1 a 1

Sabe aquele jogo em que o placar final fica em 1 a 1. E quem não foi ao estádio, e nem ouviu a transmissão vai pensar numa partida morna, lenta, daquelas que dá cãimbra nos olhos: essas características ficam para alguns jogos das Séries A ou B, no Sub-20 a coisa é diferente.

Começou diferente, na boa postura do Ji-Paraná FC que encarou o Genus pau a pau. Desde os 90 segundos de jogo - ou melhor a 1'30" Pelezinho já mostrava a que veio -, perdeu aquele que seria o gol inicial da noite que começava com um bom jogo.

O Genus também respondeu a altura - uma com Israel e outra com Leandro, o canhoto bom de bola - já caminhando para metade do primeiro tempo a coisa equilibrou, o Genus melhorou. É tanto que aos 27' numa bola enfiada por Leandro para Marcão - olha o elemento surpresa, volante saindo para o ataque e com muita velocidade, veio o zagueirão Yury e assungou Marcão com bola e tudo - dentro da área pênalti para o Genus.

Esperança de sair o primeiro gol estava viva. Israel o encarregado de cobrar o pênalti, foi lá chutou até com certa força, o goleirão Lucão como um gato (como diz certo âncora da estrelada) espalmou para escanteio. Cobrado escanteio Lucão segurou firme. Aos 32' era o Genus no ataque, e mais concatenado, a defesa do Jipa manda a escanteio.

Quem vai pra cobrança justamente o lateral esquerdo Antonio, do lado direito do ataque do Genus. Pra ser mais explícito, ali perto do vestiário dos árbitros. Pois bem, coube ao jovem Antonio ser o protagonista desta noite de sábado,29, de julho. Ele ajeita a bola e manda pelo alto, na intenção do toque de cabeça do Alemão para o meio da zaga.

Que nada, a bola tomou um efeito danado e foi caindo, caindo no canto direito de Lucão (jipa), estava fazendo história o menino Antonio e, claro o time do Genus pelo golaço chamado de Olímpico - fazia tempo que eu não via um gol tão bonito no Aluizão. Genus 1 x 0 Jipa, por volta dos 33' de jogo.

Depois tivemos mais 12' de bola lá e cá. Fim do primeiro tempo. Para a segunda etapa, ninguém mudou. Digo, mudou o Jipa, veio com mais determinação ainda. É tanto que o Pelezinho fazia diabruras, com o apoio do Weverton que havia entrado ainda no primeiro tempo na vaga de Carlinhos.

Aos 6' falta em favor do Jipa, aliás, 3' antes já havia quase acontecido o gol de empate também de falta. E esta aos 6' que acabou saindo o gol do Galo foi assim: falta cobrada com força por Mateus Maritaca, o goleiro Gabriel Sarges espalmou, Valdinei chutou em cima do goleiro e na volta o eficiente Weverton chutou sem chances para Gabriel, era o empate: Genus 1 x 1 Jipa.
(Ji-Paraná FC empate com o Genus - foto: Blog)

Aos 17' mais um pênalti em favor do Genus, dessa vez quem cobrou foi Leandro no canto direito do goleirão Lucão, esse deu um leve toque na bola, ela bateu na trave e voltou numa diagonal para o bico da grande área. Era mais um perdido, e a torcida já chiava.

E quem pensou que o Jipa recuou está redondamente enganado. Houve várias mexidas em ambas as equipes - seis no total - sendo que o Galo usou todas as quatro que lhe tem direito. O bom que o padrão não caiu.

Lembremos que, o Genus enfrentou o 1º colocado do grupo B. Está tudo aberto ainda, inclusive no outro cruzamento - onde o Real fora de casa ganhou do AD Cacoalense por 2 a 1 - é mais fora de casa, né. Ao Genus e ao Jipa, vitória simples no Biancão classifica o vitorioso, novo empate, decisão nos pênaltis.
(SC Genus empata com o Jipa em 1 a 1 - foto: Alexandre Almeida)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Vila Nova FC - GO contrata dois do futebol rondoniense

Um é "veterano" dos seus 34 anos, mas a função talvez exija uma pessoa dessa estirpe, com formação superior em Ciências Contábeis; foi observador da base do próprio Vila Nova; trabalhou como Coordenador de Esportes e, portanto, na formação do Rondoniense SC onde sagrou-se campeão do 1º turno de 2016 no Periquito do Ulisses Guimarães - com às mãos nas costas -, depois saiu e foi especializar-se em Coaching na área esportiva, lá em Manaus-AM.
Falo de Welmer  Bueno(f), que já assumiu o cargo de Coordenador Geral da Base do Vila. Os objetivos traçados para o time goiano são alvissareiros e factiveis, senão vejamos: 1) tornar a base do Vila Nova, uma base profissional; 2) captar recursos financeiros para viabilizar todo o projeto; e 3) trabalhar a formação e liderança da equipe, captação de jogadores para a base, disciplina e compromisso. Falando em compromisso, a primeira grande batalha do Vila é a Copa SP com início dia 3 de janeiro próximo. (Welmer Bueno - reprodução/facebook)
A …

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)