segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Sub-20: Genus cometeu erros, Jipa infálivel

Fim dos primeiros 90' de um jogo de 180' para Genus e Jipa. Final, agora pouco no Aluizão e deu Jipa na cabeça por 3 a 0. É a semifinal do Sub-20 que começou neste domingo(5), e tem os outros 90' na quinta-feira(9), no Biancão em Ji-Paraná.

Quem pensa que foi facilidade ao Galinho da BR, nada disso. O jogo começou com o Genus sem dois titulares - DD e Osvaldo -, o primeiro por força de trabalho em pleno domingo (isso mesmo), aquela velha história do atleta e trabalhador, o segundo estava entregue ao DM.

Mesmo assim o aurigrená partiu pra cima do Galo, e a recíproca também vale. Principalmente com jogadas bem trabalhadas por parte do Jipa pela direita com esse tanque chamado Jackson e Ykis ( o baixinho bom de bola), hoje a surpresa apresentada por Luciano Almeida foi o nr. 9 Renam (baixinho invocado).

Ora, o time da casa suportou o poderio ji-paranaense até aos 40' do primeiro tempo. Neste ínterim o Genus já tinha criado duas situações de gol - uma o Bruno perdeu cara a cara com o goleiro Fabrício - e a outra foi do Queijim, camisa 9 do Genus conduziu uma bola pela direita, ao invés de cruzar voltando para alguém encher o pé, resolveu chutar a gol. Passou perto, mas...,

Mas, quem não faz no futebol, leva. Em jogada parecida, porém,com a raça e o instinto de trabalho em grupo, Ykis pela direita entrou na área e cruzou voltando, a bola passou rente ao goleiro Gabriel Sarges e tocou num zagueiro do Genus, sobrando livre para o camisa 10 Lucas abrir o placar em favor do Galo da BR. 

Final do primeiro tempo: Genus 0 x 1 Jipa

Voltamos ao segundo tempo. O Galo no mesmo diapasão e o Genus martelando, tentando e nada. Dos Professores quem mexeu primeiro foi Osvaldo Paixão, mudou logo dois sangue novo - Caio Leite e Carlos -, bem trabalhada, melhorou o setor de ataque. A torcida queria, exigia, as substituições de Dilan e Queijim. Até entendo que o Ragis poderia ter permanecido, mas enfim.

Enquanto isso Luciano Almeida fez substituições por força médica - Kawan e Rian -, acho que até o Ykis saiu sentindo o tornozelo. Mas vejam bem, os times comandados por este excepcional Luciano Almeida são, digamos, quase infalíveis. Prestem atenção: falei quase.

Porque amanhã, ou depois, ou quinta-feira, o Genus vai lá no Biancão e faz 3 ou mais no Jipa - isso é possível? Claro que sim, sempre falo aqui nessas mal traçadas, nestas competições de base as forças se equilibram em função das idades, vai prevalecer as jogadas ensaiadas, a raça, a impetuosidade.

O Genus nesta tarde/noite de domingo criou e perdeu três gols, o terceiro foi do mesmo Queijim na segunda etapa, só ele, a trave e a felicidade, na pequena área, chutou pra fora. Teve outro lance, acho do Caio Leite a bola passou na risca por baixo da meta - dizem que um sopro do Maritaca, botou aquela bola pra fora.

Enquanto isso o Jipa com o rápido Ykis, com o insinuante Renam davam trabalho a até então melhor defesa do campeonato com 3 gols tomados - essa cifra dobrou num jogo só - e não deu mesmo para o Gabriel Sarges, o segundo gol do Galo foi de uma jogada lá na direita do Yuri, este cruzou voltando e Renam (com passagem pela Chapecoense), fez: Genus 0 x 2 Jipa, aos 31'.

Quatro minutos depois em cobrança de escanteio Bertozzi (ex-Barcelona), subiu livre para marcar de cabeça o terceiro do Jipa - foi o gol em que o Jipa estava sozinho -, ou seja, momento em que a defesa do Genus estava meio desorientada. Genus 0 x 3 Jipa, aos 35'.

Justo o placar de 3 a 0 em favor do Jipa? Justa a vitória, mas o Genus merecia melhor sorte - um golzinho pelo menos -, mas isso é futebol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copa do Nordeste: mandos e cotas

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) sorteou ontem os mandos dos clássicos da Primeira Fase da Copa do Nordeste. Ficou definido que: ...