Pular para o conteúdo principal

Série D: Genus mexe errado e faz Somália remexer

Genus e Princesa fizeram um bom jogo nesta tarde de domingo(3), no Aluizão. Pelo lado do visitante a pressão era grande por uma vitória, por outro lado o mandante fazia seu terceiro jogo em 8 dias. Vitória na quarta-feira dava mais tranquilidade ao aurigrená.

Quem começou melhor foi justamente o Princesa, com maior posse de bola, mas sem levar  perigo ao gol defendido por Dida. Aos 10' a primeira lambança do árbitro Rafael Odílio. O atleta Rondinelli(Princesa) recua a bola para seu defensor, no que se aproveita o atleta Pemaza(Genus), e parte pra fazer o primeiro gol do jogo.

Quem acompanha o Pemaza? Justamente Leandro Camilo que dá um bico de leve na bola e o goleirão Paulo Wanzeler encaixa a bola com categoria - ou seja, caracterizou o recuo para o goleiro -, isso pode?

Dai pra frente o Princesa voltou a botar a bola no chão. As subidas de seus alas sempre era fator de risco para o Genus, tanto com Deucinei pela direita como Guilherme pela esquerda. Aos 21' jogada pela direita do ataque do Tubarão, porém, a defesa do Genus coloca a bola para escanteio.

Aos 22' após cobrança de escanteio curto para o ala direita Deucinei, este levanta na pequena área do Genus, Branco chuta a bola bate na trave, na volta Somália chuta Dida - goleiro do Genus rebate - e, Branco faz 1 x 0 Princesa.

Aos 25' Renato Medeiros levanta a bola na área do Genus, Somália com seus quase 2m ajeita a bola para Branco autor do gol, este em condição regular chuta com força, a bola sobe e bate no tarvessão do bom goleiro Dida.

Aos 30' Ronan(Genus), conduz a bola com categoria pelo lado direito, passou com muita classe por Leandro Camilo quando vem o zagueirão tipo guarda-roupa Lídio e dá um carrinho lateral, pegando Ronan bola, chuteira e tudo que tivesse à frente - pênalti -, mas cadê coragem para o homem de azul marcar. Torcida chiou e, Ronan quase sai direto para a emergência.

Final do 1º tempo: Genus 0 x 1 Princesa

Segundo tempo: Charles Guerreiro, técnico do Princesa faz um balanço do que foi a primeira metade do jogo e diz; "vou tentar aumentar o placar, o time do Genus é muito bom tecnicamente". Enquanto Zé Francisco voltava também com os mesmos 11.

Mas, o plano de jogo de Guerreiro foi se desfazendo quando o jovem Guilherme começou a sentir o músculo e teve que sair do jogo, entrou Cleiton He-Man e logo depois Renato Medeiros deu lugar a Lourinho. Enquanto isso o Genus em seu melhor momento de produção, pois já se passava dos 20' e Ronan quase empata aos 9' e Pemaza justamente numa bela enfiada de bola do craque Ronan aos 18' levou de vencida a defensiva do Tubarão e, de pé esquerdo que não é tão bom chutou no canto direito do goleiro do Princesa. Para fora.

Ora, o que fez Zé Francisco - pra mim mexeu muito mal -, tirou justamente o Pemaza, logo depois o Ronan e o mais "pegador" do meio de campo, Pinóquio. O que fez Charles Guerreiro, tirou o homem do gol e colocou Edinho Canutama - um arisco e veloz ponta que tinha a missão de levar pra cima do Guarate - a ordem era não deixar o baixinho subir de jeito nenhum.

Enquanto o Genus perdia seu homem de referência lá na frente. O Princesa voltava a ter em Somália seu ponto de apoio. Wagner Léo ou Thiago Vela não podiam tirar o olho do veterano atacante, pois a bola chegando em seu pé é perigo para o goleiro adversário.

E chegou. Justamente pelo lado do arisco Edinho Canutama que, driblou uns três defensores do Genus e cruzou rasteiro voltando da linha de fundo, bola no pé bom - o esquerdo de Somália - que fez o segundo do Princesa e o primeiro dele nesta Série D.

Reação de Somália, pois não: fez aquele gesto de colocar a mão na orelha, pediu silêncio, ali na borda do campo remexeu, fez aquela apresentação de mestre-sala ou de dança de Hip Hop. Enfim, foi um gol simples mas de grande valia ao Somália.

O repórter/blogueiro tascou a seguinte pergunta ao velho atacante: Somália após seu gol, você fez todo aquele ritual, inclusive levantando a mão ao céu. Este agradecimento era pela seca de gols? Pensei que ia ter uma resposta bem desaforada, mas não: - a ausência de gols não me preocupa tanto. O que estava me chateando e a todos no Princesa era a falta de vitórias, espero que Deus tenha aberto nosso caminho de vitórias. 


(Somália(f) responde a este blogueiro - Foto: Alexandre Almeida)

Os outros resultados do Grupo A1 deste domingo(3)

Santos-AP 1 x 2 Rio Branco-AC
Genus-RO 0 x 2 Princesa-AM
Atlético-AC 2 x 1 S. Raimundo-RR

Classificação

1º) Rio Branco-AC 7pts
2º) Princesa do Solimões-AM 4pts
Dai vem; Santos-AP e Atlético-AC 4pts(3º e 4º)
5º) S. Raimundo-RR 3pts
6º) Genus-RO 3pts. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Atacante Gabriel Henrique está de partida do SC Genus

Virada do ano já começa bem movimentado pelo lado do time Aurigrená da Capital. Primeiro a polêmica das camisas para 2018, com dois escudos: Genus/Avaí, e hoje(2/jan) a desistência do ótimo atacante Gabriel Henrique, 21 anos, que recebeu uma proposta muito boa de Alagoas.
O novo time de Gabriel chama-se Santa Rita, é da cidade de Boca da Mata e fundado em 25/05/1974. O atleta estava com pré-contrato com SC Genus, para o ano de 2018. (Gabriel Henrique está saindo do Genus - foto: Fanpage do Clube)

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)