Pular para o conteúdo principal

Uma índia Suruí na seleção de Rondônia


Entre as 60 atletas que estão disputando o Campeonato Brasileiro Sub-15 Feminino da 3ª Divisão uma se destaca pela sua identidade indígena. A ala Walelasoeikigh Suruí saiu de Aldeia Sete de Setembro, em Porto Velho, direto para as quadras de basquete. Defendendo a Seleção de Rondônia, a jovem de apenas 14 anos contou como lida com as diferenças entre as companheiras e afirmou acreditar no esporte muito mais do que somente um lazer.

"O basquete me ajudou a ter mais responsabilidade. No início jogava por hobby, mas de repente vi que ali eu poderia somar muito mais coisas na minha vida. Ser convocada para a Seleção foi uma grande surpresa. E posso dizer estou muito feliz em defender meu estado. Espero poder fazer parte dessa equipe nos próximos anos e seguir dentro das quadras representando Rondônia”, contou Walela. 



A terra indígena onde vive a jogadora possui uma área de 249 mil hectares e população de aproximadamente 1.300 habitantes. Walela, como é chamada pelos amigos e familiares, falou sobre os seus costumes e as dificuldades que já enfrentou na Aldeia.

“Eu tenho algumas diferenças entre as meninas. No Colégio onde estudo, no Dom Bosco, tem muitas meninas que não conhecem a realidade de uma vida indígena. Mas estou completamente acostumada. Eu vivo esses costumes desde que nasci, então não sofro muito. O que realmente ainda é muito precário é a falta de energia elétrica e as linhas telefônicas, que ainda não fazem parte da minha realidade”, explica a jogadora.

Feliz em ser convocada para a seleção estadual a índia Walela fala do momento atual e já pensa na equipe de 2015.

"Temos que aproveitar as oportunidades que surgem e a partir dali superar as dificuldades, traçar nossos objetivos. Vou aproveitar para melhorar e aperfeiçoar todos meus movimentos. Quem sabe em 2015 eu faça parte novamente desse time”, completou.

O treinador da Seleção de Rondônia, Hudson Nascimento, elogiou a jogadora e destacou pontos positivos como o vigor físico, disciplina, determinação, além de um bom arremesso.

“Ela é muito disciplinada e foca com seriedade nos treinos. Tem consciência de sua capacidade para chegar mais longe, além de ter um belo arremesso”, declarou o técnico.

O Campeonato Brasileiro Sub-15 da 3ª Divisão irá classificar os três primeiros colocados para a Segunda Divisão. O torneio segue até o dia 8 de agosto no Ginásio do Sesc Minas Gerais. O Brasileiro Sub–15 é organizado e realizado pela Confederação Brasileira de Basketball (CBB), com o apoio da Federação Mineira de Basketball e Prefeitura Municipal de Poços de Caldas, e financiado pela Lei de Incentivo ao Esporte por meio do convênio com o Ministério do Esporte.

CAMPEONATO BRASILEIRO SUB-15 FEMININO DA 3ª DIVISÃO 
Local: Ginásio SESC Minas Gerais (Poços de Caldas / MG)
Seleções Participantes 
Amapá, Bahia, Ceará, Goiá, Rondônia e Sergipe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …