Pular para o conteúdo principal

#SC Genus, você me representa#

Esta semana que se finda, cansamos de ler hashtag tais como: #fulano(a) você não me representa#, quando dou título à postagem e digo #SC Genus, você me representa#, entendam que aqui fala o cronista esportivo que acompanha o futebol profissional rondoniense - principalmente da capital desde 1992 - portanto, um ano após a primeira edição deste.

São 25 edições, dos quais até este sábado(4) somente o CFA da capital havia levantado a taça de campeão. Agora o Genus entra neste seleto clube dos campeões, e porque a instituição Sport Club Genus me representa: pelo projeto implantado neste 2015, lembrando que o modelo de parceria já vinha do ano passado quando do apoio do Cabral FC, na pessoa do empresário Elizeu Cabral na disputa da Série D.

Neste ano de 2015 a parceria foi com o Nacional de Rolândia-PR, com a vinda do técnico Claudemir Pontin e uma gama de atletas, que se juntaram aos daqui de Porto Velho oriundos do Cabral FC; representa porque eram 13 anos já na espera; representa porque com a conquista inédita já tínhamos a Copa Verde garantida na capital, e agora a Copa do Brasil ambas em 2016. 

Representa porque, os olhos dos empresários, políticos irão se voltar para a capital e quem sabe não saia em definitivo a construção de um estádio de futebol; com o feito do Aurigrená o mercado do futebol na capital tende a evoluir, no sentido da aparição de novos clubes - já há forte indícios de que teremos três(3) da capital no campeonato do próximo ano.

Agora voltando ao jogo deste sábado, tinha que ser com tamanha emoção. Quem lembra e ler esse Blog há de convir que o meu palpite foi, de um VEC cheio de problemas mas quando a bola rolasse as forças iriam se equilibrar. Dito e feito, pelo menos o primeiro tempo foi assim - mais para os Lobos -, aos 10 min abriu o placar com Edilsinho (minha opinião impedido).

Aos 39 min viu suas chances aumentarem com Cabixi na raça, chuta prensado com Jobert e tira o goleiro Dida completamente do raio de ação. Era os 2 a 0 que o VEC precisava para bordar a sexta estrela em sua camisa. A estratégia do Prof Pontin que povou o meio campo do Genus estava indo para o brejo. Ainda no primeiro tempo ele sacou o lateral esquerdo João Victor e colocou Pemaza.

E nas mexidas dos técnicos o do Genus saiu-se muito melhor. Se no primeiro jogo aqui no Aluizão com o VEC mais fragilizado, Pontin somente fez uma alteração aos 45 min do segundo tempo. No Portal da Amazônia ele mexeu no time antes de findar-se os primeiros 45 min. Mas o bom estava reservado para a segunda etapa.

Pontin foi buscar no banco de reservas aquele que na minha opinião foi o jogador chave da partida, falo de Thiago Xuxa - sempre contestado, chamado de gordo, fora de forma - pois bem, coube a esse mesmo Xuxa encostar mais no Fernandinho e fazer o pivô. O Genus voltou do intervalo com outra postura em campo. Logo aos 3 min Pemaza leva a defensiva do VEC no peito e na raça, não deu outra aterrado dentro da área, pênalti.

Fernandinho pegou a bola, com a tranquilidade de um monge bateu com perfeição no canto alto direito do goleirão Naldo, era o 2 a 1 VEC. O time continuava martelando o Lobo, aos 15 min numa sobra de bola nos pés de Xuxa este com extrema categoria coloca no canto esquerdo de Naldo, a bola ainda raspou a trave estava decretado o 2 a 2 (inclusive palpite do Blog).

Aos 20 min o artilheiro do campeonato Cabixi recebe uma bola de escanteio cobrado por Edilsinho e faz de cabeça: VEC 3 x 2 Genus, o jogo estava indo para os pênaltis. Porém, aos 22 min em falta bem cobrada por Alex do Genus, o experiente Xuxa faz de cabeça no cantinho direito de Naldo era os 3 a 3. Pensou que acabou, nada disso.

Aos 34 min em bela jogada entre Alex, Xuxa e Fernandinho este toca livre para Guarate - sim um lateral direito -, aparecendo na cara do gol. Jogada de treino, de ensaios de repetição, e para quem achava o Pontin um técnico retranqueiro (como este blogueiro), viu-se nesta jogada como o grupo estava focado era o sétimo gol do jogo: VEC 3 x 4 Genus, no placar agregado 6 a 4 para o Genus.

Será a queda da dinastia Dalhanol? Será a derrocada de Natal Jacob? Estes primeiro dias da semana que entra saberemos. Um fato é certo - a capital não precisa de esperar mais um ano para ser campeã -, já fazendo previsões futurísticas com três(3) equipes de Porto Velho disputando a Série A do rondoniense, penso que a geografia do futebol vai ter uma reviravolta já.

As notas dos atletas campeões neste sábado

Dida - anda saindo meio atabalhoado, nota 7,0
Guarate - sempre equilibrado para coroar sua participação fez um golaço, nota 9,0
Leivinha - entrou na vaga de Guarate para ganhar o bixo, sem nota
Jobert - falhou somente no 2º gol do VEC, nota 8,0
João Pedro - sempre regular, nota 7,0
João Victor - ainda não se garante na titularidade, nota 6,0
Pemaza - entrou na vaga de João Victor, sempre lutador nota 8,0
Vitão - desde que entrou no time sempre tem uma vaga, nota 8,5
Jean - tem pegada forte, mas sabe distribuir nota 8,5
Xana - o raçudo de sempre, não arriscou chute a gol nota 8,0
Thiago Xuxa - entrou na vaga de Xana, atleta inteligente absorveu as críticas no início da temporada e hoje fez nada menos do que dois gols numa decisão nota 9,5
Dimas - não tão brilhante como em outros jogos, nota 8,0
Alex - hoje foi o Alex do dia da estreia (só faltou o gol), mas tocou a bola, fez lançamento, muito bom de bola nota 10,0
Fernandinho - a cada dia cresce mais o futebol deste rapaz, foi dele o início das viradas nota 9,5
Claudemir Pontin - técnico hoje entrou com um time de vôlei no meio campo, depois mexeu e mexeu bem, nota 9,5
Marcelo - preparador físico muito bom o trabalho deste profissional nota 9,5

(Foto: Alexandre Almeida)





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …