Pular para o conteúdo principal

Sub-20: Genus 1 x 3 RSC, placar clássico e arbitragem show

Tirei a tarde/noite deste sábado, 9, para ver SC Genus e RSC pelo Sub-20, no velho e gostoso Aluízio Ferreira. Confesso que a ideia era ver os primeiros 45 min e depois pra casa, se possível dá até uma saidinha nos embalos de sábado à noite (sonhar também vale!!). Mas, chegar ao estádio encontrar os amigos - como Naldo Dias, Alexandre Almeida, Servilio Patrício, Levir Moreira, Almir Caetano e Arnoldo Figarella -, este último inclusive sendo o encarregado de apitar o jogo em tela. Aí, não dá pra ficar somente 45 min, se possível 90 ou 95 min como foi o total indicado pelo "velho" mestre do apito.

Com relação aos dois times: olha tanto Genus, como o RSC teem em mãos material humano de primeira qualidade, para usufruir daqui a cinco ou oito anos de existência dos dois, basta dar continuidade a essa base. Não queria indicar nenhum, pra não acharem que estou levantando a bola de um e de outro não - mas a consciência me diz, pelo Genus (lateral direito Eric, zagueiro Luan Kalil e o trio Danilo, Erlison e Ramon), apostaria minhas fichas.

Já o Periquito do Ulisses Guimarães, apresentou um time compacto muita gente já chegou a entrar no time de cima, casos de: Wilton, Airton, Kelvin e Alemão. Hoje as boas surpresas foram - o goleirão magrão sósia do Dida, até no nome; o Leandro Bú na lateral esquerda, Welves se já jogou no time de cima não lembro e Cuiol ponta esquerda que fez um golaço.

O jogo em si

Aos 8' o RSC mostrou logo as caras, digo a cabeça pois num mini escanteio (de falta) cobrada pela canhotinha mágica de Kelvin o zagueirão Airton fez de cabeça. Genus 0 x 1 RSC.

Aos 10' quase empate do Genus com Luan de fora da área, chute forte que Dida caiu e tentou tirar pra escanteio, mas a bola foi pra fora.

Dai, após os 20 e 25' o meio campo do Genus "engoliu" o mesmo setor do RSC. Começou a brilhar a canhotinha de Danilo nº 10 do Genus e Erlison nº 9.

Aos 39' o empate do Genus com Erlison de pênalti - aliás um pênalti bobo cometido por Airton nº 4 que foi cabecear a bola e esta resvalou no braço esquerdo dele -, Figarella estava a 3  metros do lance, apontou a cal e nem amarelo saiu.  Genus 1 x 1 RSC

Aos 42' ou seja, três minutos após o empate o RSC desempata, e o lance - numa bola lançada por Welves lá para o lado esquerdo de seu ataque, a zaga do Genus fez falta em Kelvin -, Figarella atento mandou seguir - aplicou a lei da vantagem - e ai meus caros, lei da vantagem é o ápice do árbitro, principalmente quando o resultado final é o gol do que sofreu a falta.

Não deu outra, o camisa 11 Cuiol ainda passou por um zagueiro, driblou o goleiro, ficou sem ângulo mesmo assim chutou rasteiro da linha perpendicular da grande área com a linha de fundo, a Kagiva alojou-se na costura da rede do Genus, então: Genus 1 x 2 RSC. Placar do final do primeiro tempo.

Para o segundo tempo, quem primeiro fez o troca troca foi o técnico do Genus, José Francisco ele tirou o 11 Ramon e colocou o cabeludo (rabo de cavalo) Caio, bom jogador.

O jogo continuou bom, diria que ficou um pouco morno, aos poucos o meio campo do Genus começou a se impor, o lado direito com Danilo, Erlison que voltou a buscar o jogo e o ala Eric o que esses caras jogaram não é brincadeira. Até o Eric pedir pra sair com cãimbras.

Elias técnico do RSC vendo que a qualquer momento poderia acontecer o empate, tirou Gean(nº5) e colocou Alemão(14) na zaga e adiantou Wilton para o meio. Equilibrou de novo, nessas alturas num contra ataque do Periquito a bola lançada para o grandalhão Izac que passou pelo goleiro João Victor do Genus, este deu uma rasteira no grandalhão.

Neste momento comentei com o Naldo, não precisava ele ter caído dava pra ter feito o gol. Mas, o juizão já havia apitado o pênalti (o segundo do jogo), eram passados 30' do segundo tempo - cartão amarelo para o goleiro -, e quem é encarregado para bater, Wilton(3) e capitão, foi bateu com força e o goleirão espalmou para escanteio.

Aos 45 + 3 de acréscimos marcação de falta em favor do RSC, de longe de fora da área o mesmo que havia ficado no chão com câimbras, camisa 10 Welves vai pra bola com o pé direito uma bomba, canto esquerdo de João Victor era o terceiro do RSC. Genus 1 x 3 RSC, final do jogo.
(Terceiro gol do RSC Welves de falta)

Com relação a arbitragem do Sr. Arnoldo Figarella
(Naldo Melo, Arnoldo Figarella, Levir e Edvan da esp/dir)

Eu me considero suspeito de falar, mas a velha consciência (olha ela de volta), faz com que eu me manifeste: ainda bem que, o agora superintendente da FFER meu amigo Almir Caetano estava por lá, por que dá vontade de saber o porquê do Figarella não ter sido escalado no jogo de quarta-feira, próxima passada - ele me disse que a bolinha também tinha o nome do Arnoldo -, não vou questionar.

No jogo deste sábado(9), aconteceu um fato que poucos perceberam e este velho cabeça-chata viu e perguntou ao árbitro - Arnoldo eu vi dois atletas se cumprimentando, e logo depois você aplicou o amarelo - e a resposta do Profº: "olha o nº 4(RSC) e o nº 13(Genus), estavam querendo se estranhar e o que fiz, pedi pra eles se darem às mãos, se respeitarem porque tudo começa dali do Sub-20".

Aprendi e apreendi mais essa..., parabéns ao quarteto e a você meu caro Figarella.

Ficha Técnica do Jogo - 2ª rodada do Sub-20
Genus 1 x 3 RSC - data 9/7 às 18h Aluzão/PVH.
Árbitro: Arnoldo Figarella com assistencias de Reginaldo Melo e Edvan Ferreira
Genus: João Victor; Eric(João), Murilo Henrique, Luan Kalil e Lucas Augusto; Elton, Luan, Italo(Mário) e Danilo; Erlison e Ramon(Caio). Téc: José Francisco
RSC: Dida; Zanata, Wilton, Airton e Leandro Bú; Gean(Alemão), Formiga(Welington), Batista(Izac) e Welves; Kelvin e Cuiol(Lucas). Téc: Elias Santana.
(SC Genus - sub-20/2016)

(RSC sub-20/2016)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rondoniense de 17 anos vai disputar o concorrido Sub-20 em SP

Olha que notícia maravilhosa. Vem daqui de perto do distrito de Jaci-Paraná, a 80 km de Porto Velho, um filho do distrito chamado Jardson Medeiros, zagueiro de 1,85 m com 17 anos, pé esquerdo, pelo visto um prodígio - na acepção da palavra -, daqueles com habilidades próprias para pessoas com mais idade.
Acompanhe o histórico de Jardson: foi bicampeão da copa treze sub-15 pelo Avaí-PVH; em 2015 disputou o sub-16 pelo SC Genus; já o ano passado foi campeão do Interdistrital pela seleção de Jaci-Paraná, quando foi muito elogiado pela postura em campo e personalidade.
Desta temporada o garoto começou a viajar. Entenda-se viajando para fazer o que mais gosta, e sabe fazer. Foi para Confins-MG, disputou o campeonato mineiro sub-17 pelo Bonsucesso EC, sucesso garantido seu time foi eliminado na semifinal mineira. Algumas equipes de base da terra de Tiradentes tentaram ficar com o zagueiro.
Porém, seu destino acabou sendo São Paulo, primeiro jogou pelo Osvaldo Cruz FC, interior paulista. Ao vol…

Tanaka faz acordo amigável e dá adeus ao Periquito

Foram somente três minutos vestindo a camisa oficial do RSC. Falo de Alessandro Tanaka, camisa 16 que entrou ao final do jogo entre RSC 0 x 0 Cuiabá pela Copa Verde, no último domingo. O ambiente no ninho do periquito já não estava legal para o atleta estrela de Guajará-mirim, ontem, segunda-feira entornou de vez.
E, agora à tarde o rápido atacante Tanaka, entrou em acordo com a diretoria do clube, e deu adeus ao RSC. Agora vem a surpresa maior. Sabe para onde voa o Tanaka, ou melhor, sai do ninho do periquito e vai para o Acre, isso mesmo o novo clube será no estado do Acre. E quem pensava no Tanaka no Galo da BR, tire o cavalo da chuva.
O blog chegou a conversar com Eder Marques, um dos diretores do Jipa, e ele assim se expressou: "Luis, na verdade era intenção da gente trazer o Tanaka para cá, como foi um acordo amigável e ele resolveu ir para o Acre, que seja feliz não vamos entrar em leilão". (Tanaka deixou o RSC nesta terça(7), vai para o Acre)

Ariel Mamede e Welmer Bueno, juntos na mesma equipe

É isso mesmo, o mundo do futebol gira rápido demais. Assim como o mundo da política, da economia e das fofocas. Assim foi com o amigo e técnico de futebol Ariel Mamede, saiu daqui de Porto Velho-RO com um pé na taça de campeão-2016, e uma das mãos já levantando a mesma. Antes disso saiu do também RSC o dirigente Welmer Bueno, ambos retornaram ao estado de Goiás.
Enquanto Ariel foi dirigir um time goiano querendo subir da segunda divisão para a primeira, Welmer Bueno voltou para "seu" Vila Nova, no comando administrativo das divisões de base. Nesta copinha que ainda está rolando a bola, o que aconteceu: o Vila saiu de Goiás com status da melhor equipe do paraíso verde na categoria, acabou caindo na fase de grupos.
Enquanto o maior rival do Vila Nova, o Atlético Clube Goianiense ora dirigido por Ariel passou de fase. E aí vem as raquetadas da vida, neste sábado(14) o Vila Nova dispensa Lucas Oliveira, e foi buscar no Dragão o jovem comandante de lá. E agora estarão juntos em um …